Bagagem danificada ou extraviada: quando é possível indenização?

Qualquer que seja o tipo de transporte, se a bagagem for danificada ou extraviada, a lei garante uma indenização ao viajante. Entretanto, existem prazos e condições para que essa indenização seja possível.

   Caso isso ocorra em viagens aéreas, mediante a apresentação do comprovante de despacho da bagagem, o viajante poderá registrar uma reclamação (RIB – Registro de Irregularidade de Bagagem) perante o órgão regulatório, que é a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil.

   Exceto em casos excepcionais, o transportador responde pelos danos causados às pessoas e suas bagagens (artigo 734, do Código Civil).

   Por se tratar de relação de consumo (artigo 14, do Código de Defesa do Consumidor), o fornecedor de serviços responde pela reparação de danos causados, independente da existência de culpa. Segundo o PROCON, após o check-in a empresa aérea torna-se responsável pela bagagem.

   No caso de empresas aéreas, existe a Resolução nº 400/2016 que exige (em seu artigo 32) que as partes cumpram alguns requisitos:

  1. Constatado o dano ou extravio, o passageiro deve, de imediato, registrar um protesto junto ao transportador, caso contrário presume-se que tenha sido entregue em bom estado;
  2. Sob pena de indenização em até 7 (sete) dias, a bagagem será entregue pelo transportador no local indicado pelo passageiro, nos seguintes prazos: 
  3. em até 7 (sete) dias, em voo doméstico; ou
  4. em até 21 (vinte e um) dias, em voo internacional;
  5. Na hipótese de violação de conteúdo ou avaria, o transportador terá o prazo de 7 (sete) dias, contados do protesto, para reparar a avaria, substituir a bagagem avariada ou indenizar o passageiro (no caso de violação);
  6. No caso de extravio de bagagem, o passageiro que se encontrar fora do seu domicílio será ressarcido no prazo de 7 (sete) dias, mediante comprovantes das despesas.

O valor dessa indenização pode variar, o que, segundo a ANAC, será de até 1.131 DES (Direitos Especiais de Saques) para voos domésticos (cerca de R$ 8 mil), e de até 1.288 DES para voos internacionais (cerca de R$ 9,1 mil), desde que o passageiro não tenha feito ‘Declaração Especial de Valor’.

Quanto aos danos morais, extravio por curto período foi considerado “temporário”, não sendo considerado potencial ofensa à personalidade.

Rosangela de Paula Neves

Advogada

(11) 97344-2000

https://www.linkedin.com/in/rosangela-de-paula-neves-65036a21/

Inscreva-se

Nossos colunistas

456 POSTS

Colunas

Conheça dicas fáceis para uma rotina de hábitos mais saudáveis

Comece 2024 cuidando do seu bem-estar sem sair de...

Que tal começar o ano com hábitos saudáveis?

Dra. Mariela Silveira, diretora médica do Kurotel, fala sobre...

Descubra os poderes do Cranberry para saúde

Neste momento, uma imensa luta está se travando por...

Artigos populares

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui