Bagagem danificada ou extraviada: quando é possível indenização?

Qualquer que seja o tipo de transporte, se a bagagem for danificada ou extraviada, a lei garante uma indenização ao viajante. Entretanto, existem prazos e condições para que essa indenização seja possível.

   Caso isso ocorra em viagens aéreas, mediante a apresentação do comprovante de despacho da bagagem, o viajante poderá registrar uma reclamação (RIB – Registro de Irregularidade de Bagagem) perante o órgão regulatório, que é a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil.

   Exceto em casos excepcionais, o transportador responde pelos danos causados às pessoas e suas bagagens (artigo 734, do Código Civil).

   Por se tratar de relação de consumo (artigo 14, do Código de Defesa do Consumidor), o fornecedor de serviços responde pela reparação de danos causados, independente da existência de culpa. Segundo o PROCON, após o check-in a empresa aérea torna-se responsável pela bagagem.

   No caso de empresas aéreas, existe a Resolução nº 400/2016 que exige (em seu artigo 32) que as partes cumpram alguns requisitos:

  1. Constatado o dano ou extravio, o passageiro deve, de imediato, registrar um protesto junto ao transportador, caso contrário presume-se que tenha sido entregue em bom estado;
  2. Sob pena de indenização em até 7 (sete) dias, a bagagem será entregue pelo transportador no local indicado pelo passageiro, nos seguintes prazos: 
  3. em até 7 (sete) dias, em voo doméstico; ou
  4. em até 21 (vinte e um) dias, em voo internacional;
  5. Na hipótese de violação de conteúdo ou avaria, o transportador terá o prazo de 7 (sete) dias, contados do protesto, para reparar a avaria, substituir a bagagem avariada ou indenizar o passageiro (no caso de violação);
  6. No caso de extravio de bagagem, o passageiro que se encontrar fora do seu domicílio será ressarcido no prazo de 7 (sete) dias, mediante comprovantes das despesas.

O valor dessa indenização pode variar, o que, segundo a ANAC, será de até 1.131 DES (Direitos Especiais de Saques) para voos domésticos (cerca de R$ 8 mil), e de até 1.288 DES para voos internacionais (cerca de R$ 9,1 mil), desde que o passageiro não tenha feito ‘Declaração Especial de Valor’.

Quanto aos danos morais, extravio por curto período foi considerado “temporário”, não sendo considerado potencial ofensa à personalidade.

Rosangela de Paula Neves

Advogada

(11) 97344-2000

https://www.linkedin.com/in/rosangela-de-paula-neves-65036a21/

Inscreva-se

Nossos colunistas

460 POSTS

Colunas

Artigos populares

Pousada Encantos de Socorro se prepara para o Festival de Inverno e Festas de Agosto

A Pousada Encantos de Socorro, localizada na Estância Hidromineral de Socorro,...

Seja jurado internacional de vinho por um dia

Ser jurado internacional de vinhos é uma experiência única...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui