Comida picante pode estar associada à longevidade, diz estudo

comida_picante_longevidadeUm estudo chinês, publicado pela revista britânica BMJ, mas questionado por alguns especialistas, aponta que o consumo regular de comida picante estaria associado a uma longevidade maior e a um risco menor de contrair câncer, doenças coronarianas ou respiratórias.

Os próprios responsáveis pelo estudo advertiram que é muito cedo para tirar uma conclusão definitiva sobre os potenciais benefícios da ‘dieta picante’ e defenderam mais pesquisas.

“Nossa análise mostra uma correlação invertida entre o consumo de comida condimentada e a mortalidade global, assim como com certas causas de morte, como o câncer ou as doenças coronarianas e respiratórias”, afirma a equipe responsável pelo estudo.

A partir de um grupo de 490.000 chineses com idades entre 30 e 79 anos, observados em média por sete anos, o estudo afirma que “aqueles que consomem alimentos condimentados quase todos os dias têm 14% menos possibilidades de morrer que aqueles que comem alimentos picantes menos de uma vez por semana”.

A associação vale tanto para homens quanto para mulheres e é ainda mais importante para os que consomem comidas picantes mas não bebem álcool.

O consumo frequente de comida picante também foi associado no estudo especificamente a um risco menor de morte por câncer, doença coronariana ou respiratória.

A pimenta, o condimento mais utilizado na China, contém capsaicina, que segundo os coordenadores da pesquisa também ajudaria a combater a obesidade, além de ter efeitos anti-inflamatórios, antioxidantes e contra o câncer.

Apesar do número considerável de pessoas observadas, o estudo apresenta alguns pontos frágeis, em particular a falta de informações detalhadas sobre a composição das refeições dos participantes.

“Não sabemos se as correlações observadas são resultado direto do consumo de pimenta ou a simples consequência de outros elementos favoráveis da alimentação que não foram levados em consideração”, comentou Nita Forouhi, uma especialista em Nutrição da Universidade de Cambridge.

Fonte: UOL

Inscreva-se

Nossos colunistas

459 POSTS

Colunas

Cardápio adequado para quem tem restrições alimentares

Criada há mais de 10 anos pelo Instituto Jô...

Pinhão: entenda os benefícios para saúde e bem-estar

O pinhão, obtido a partir da semente da araucária,...

É possível manter o peso perdido? Endocrinologista comenta

As estatísticas ditam contra: 80% das pessoas que perdem...

Cinco dicas para reter massa muscular durante a menopausa

A menopausa é um período marcado por mudanças hormonais...

Artigos populares

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui