Infecção Urinária: conheça os sintomas e as opções de tratamento

Infecção urinária (2) - reprodução internet

Oito em cada dez mulheres já sofreram ou sofrerão em algum momento da vida com infecção urinária. A doença é causada por bactérias que entram pelo canal da uretra e se alojam no trato urinário, atingindo a bexiga e, nos casos mais graves, os rins. O quadro infeccioso também pode afetar homens e crianças, mas acomete principalmente as mulheres porque elas possuem a uretra menor, o que favorece a migração das bactérias.

 

Segundo o urologista Guilherme Maia, do Hospital Santa Joana Recife, existem dois diferentes tipos de infecção urinária. São elas: cistite (na bexiga) e Pielonefrite (nos rins). “Em geral, os sintomas são bem parecidos. Incluem dor e ardência ao urinar, vontade de ir ao banheiro várias vezes durante o dia e à noite, urina mais concentrada com odor mais forte, sangue na urina, dores abdominais e febre”, explica. “No caso da pielonefrite, o paciente pode sentir mal-estar, náuseas, vômitos e dores nas costas”, completa o médico.

 

Uma vez que os sintomas aparecem, é necessário realizar um exame de urina para constatar a doença. “Assim que identificada, a infecção deve ser tratada com o auxílio de antibióticos”, revela Maia. Nas pessoas jovens, o tratamento dura de 3 a 5 dias. Já nos idosos, são necessários mais ou menos 14 dias. É importante salientar que se o quadro não for tratado adequadamente, ele pode evoluir para problemas mais graves que podem exigir internação e até levar à morte. “Quando as bactérias se movem da bexiga para os rins e não são combatidas adequadamente, elas entram em contato com a corrente sanguínea, o que chamamos de Urosepsis. Com isso, se não houver um tratamento correto e em tempo hábil, as complicações podem comprometer grandes órgãos do corpo”, pontua.

 

Alguns hábitos diários podem ajudar a evitar o surgimento da infecção urinária. O ideal, para isso, é consumir bastante líquido, em especial o suco de cranberry, higienizar a área corretamente e, principalmente, não prender o xixi. “Não se deve ficar muito tempo com a bexiga cheia. Isso facilita a proliferação das bactérias”, ensina Maia. “Depois da relação sexual, também é preciso esvaziar a bexiga. Outra dica para as mulheres é depois de urinar ou defecar, higienizar a área sempre de frente para trás para não trazer bactérias para a uretra no gesto contrário”, finaliza.

Inscreva-se

Nossos colunistas

456 POSTS

Colunas

Conheça dicas fáceis para uma rotina de hábitos mais saudáveis

Comece 2024 cuidando do seu bem-estar sem sair de...

Que tal começar o ano com hábitos saudáveis?

Dra. Mariela Silveira, diretora médica do Kurotel, fala sobre...

Descubra os poderes do Cranberry para saúde

Neste momento, uma imensa luta está se travando por...

Artigos populares

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui