26º Festival de Cinema Judaico no Clube Hebraica

Já consagrado no calendário cultural da Cidade de São Paulo, o Festival de Cinema Judaico retorna com toda a sua energia e entusiasmo para a sua 26ª edição, em 2023. De 13 a 20 de agosto, direto da tela do Teatro Arthur Rubinstein do clube Hebraica, o público terá a oportunidade de conferir obras relacionadas ao judaísmo e Israel por diferentes ângulos em 16 sessões que incluem 17 filmes e em uma delas serão exibidos um curta e um documentário. 

“Tivemos uma ótima safra de filmes neste ano para fazer as escolhas da programação. Chegamos a uma pluralidade de ideias, com diferentes interpretações de temas importantes, que despertam o espírito crítico das pessoas e nos levam a fazer questionamentos”, destaca o CEO da Hebraica e diretor-geral do festival, Gaby Milevsky.

Para a curadora Daniela Wasserstein, “a produção atual traz uma maior variedade de gêneros e estilos. Temos comédias românticas e reflexões da sociedade contemporânea em geral, como o antissemitismo crescente, racismo, tolerância, violência contra mulheres e empoderamento feminino”.

Ao longo de sua trajetória, o Festival de Cinema Judaico já exibiu mais de mil filmes, tornando-se uma referência mundial quando o assunto é produção cinematográfica judaica. Neste ano, o público terá a oportunidade de apreciar filmes vindos de países como França, Alemanha, EUA, Israel, Argentina, Brasil, Ucrânia e Holanda.

Gaby Milevsky faz ainda uma menção de agradecimento ao Banco Daycoval “por patrocinar e sempre nos acompanhar nesta importante realização”.

A seguir, os filmes da abertura e encerramento do Festival e alguns destaques desta edição

Após ampla reforma de revitalização, o Teatro Arthur Rubinstein da Hebraica (520 lugares) irá celebrar a noite de abertura do festival, dia 13 de agosto (domingo, às 18h30),  com o filme  “O Homem no Porão” – também exibido na abertura do Festival de Cinema Judaico de Toronto, realizado recentemente –, que apresenta elenco estrelado vindo da França, como François Cluzet, de “Intocáveis”, e Bérénice Bejo, indicada ao Oscar de melhor atriz coadjuvante em 2012 por sua atuação em “O Artista”, que ganhou cinco categorias naquele ano, incluindo melhor filme e melhor diretor. “O Homem no Porão”, dirigido por Philippe Le Guay, trata do revisionismo histórico e do Holocausto de maneira tensa e questionadora, quando um casal vende o porão de seu imóvel e passa a lidar com o novo morador, que se revela um antissemita negacionista.

No último dia do festival, praticamente uma “avant-première”, e para fechar com chave de ouro, a exibição do aguardado filme “Golda – A Mulher de uma Nação”, que mostra os acontecimentos da Guerra do Iom Kipur, em 1973, sob o ponto de vista da ex-primeira-ministra israelense Golda Meir. O filme apresenta no papel da protagonista a atriz Helen Mirren, que tem diversos prêmios na carreira, como o Oscar de 2007, quando interpretou a rainha Elizabeth II em “A Rainha”. Para se ter uma ideia de como o filme é questionador, a própria Mirren causou polêmica ao fazer comparações entre Golda Meir e o atual primeiro-ministro Benjamin Netanyahu durante recente visita a Israel para promover a exibição da obra na abertura do Festival de Jerusalém.

As Mulheres no Festival

Já é tradição no Festival de Cinema Judaico da Hebraica a programação incluir bate-papos com convidados envolvidos nas produções exibidas. Neste ano, serão três momentos com a presença de mulheres brasileiras que vão discutir as obras e a participação de mulheres na indústria cinematográfica.

A cineasta Elza Cataldo estará no clube para falar sobre “As Órfãs da Rainha”, ficção ambientada no período em que a Inquisição chega ao Brasil. O filme mostra três irmãs que perderam os pais e, criadas pela rainha de Portugal, são enviadas contra sua vontade para povoar a colônia. As locações aconteceram em uma cidade cenográfica construída dentro de uma fazenda na Zona da Mata mineira, onde Elza nasceu. Um detalhe: a história se passa na Bahia do século 16. A primorosa produção levou dez anos para ficar pronta, incluindo a leitura de mais de 300 livros, viagens para Portugal e Espanha, e mais de dez revisões do roteiro. O empenho já rendeu participações e prêmios, por exemplo, no Toronto International Women Festival, Los Angeles Independent Women Film Awards e Washington Jewish Film Festival.

Outro debate previsto para acontecer na Hebraica será após a sessão conjunta do curta “As Manhãs de Majer”, da diretora Renata Jesion, e do filme “Bela”, que tem a direção de Paula Zimerman Targownik, brasileira radicada na Alemanha, junto com o marido, Daniel Targownik. “As Manhãs de Majer” é baseado nos relatos do pai de Renata, sobrevivente de quatro campos de concentração, e integra um projeto de autorreflexão pessoal, junto com a peça teatral “121.023 J”, que teve longa temporada em várias cidades, e não se restringe à questão judaica, questionando como são tratadas as pessoas “diferentes”.

Já o longa “Bela” é um documentário sobre uma história pouco conhecida de sobreviventes do Holocausto que fugiram da Alemanha para a China e mostra a experiência dos diretores após uma visita ao Gueto de Xangai, onde os judeus que chegavam eram confinados com chineses pobres que já vivam no local.

Paula Zimerman Targownik também integrou a equipe de roteiristas da comédia romântica franco-israelense “Paris Boutique”, dirigida por Marco Carmel, que faz parte da programação do festival, sobre como uma advogada judia que chega da França e sua guia em Israel descobrem uma relação secreta entre uma ultraortodoxa e um cristão. A roteirista também estará presente para um bate-papo após a apresentação do filme.

Mais destaques deste Festival

Outra obra que deve despertar o interesse do público é o documentário “Nisman, a Vítima 86”, de Pablo Racioppi, com detalhes de um caso que abala profundamente a comunidade judaica, a sociedade argentina e a vida política do país vizinho ao Brasil. O filme aborda a morte do procurador Alberto Nisman, encontrado morto às vésperas de apresentar os resultados das investigações sobre o envolvimento do governo argentino com iranianos do atentado terrorista contra a AMIA (Sociedade Mutual Israelita Argentina).

O filme “SHTTL”, por sua vez, é totalmente falado em iídiche e revela a vida dos habitantes de uma aldeia rural, um tradicional “shtetl” na fronteira da Ucrânia com a Polônia, pouco antes da invasão nazista na Segunda Guerra Mundial, na chamada Operação Barbarossa. A produção franco-ucraniana foi concluída em 2021, antes da atual guerra com a Rússia, com a proposta de transformar o set em museu, mas toda estrutura foi destruída no conflito.

Escolhido como melhor filme pelo público do Miami Jewish Film Festival em 2022, a comédia “iMordecai” aborda a relação de um sobrevivente do Holocausto com seu filho depois que ganha dele de presente um iPhone e é obrigado a se deparar com as mudanças do mundo moderno.

A pedido do público, dois filmes de sucesso na Mostra de Cinema Israelense “Hebraica SP 70 – 75 Israel”, realizada em abril, vão ser exibidos novamente no clube. “Exodus 91” é baseado em fatos da Operação Salomão, que conseguiu levar mais de 15 mil judeus da Etiópia para Israel. Já “Matchmaking” é uma adaptação divertida do clássico “Romeu e Julieta” envolvendo israelenses ortodoxos que tiveram o casamento arranjado.

Confira a programação*:

13/8 domingo  

18h30 – Coquetel de abertura

19h30 – O Homem no Porão (114 min)

14/8 segunda-feira  

20h30 – Exodus 91 (90 min)

15/8 terça-feira

18h30 – Nisman, a Vítima 86 (80 min)

20h30 – Spinoza (55 min), com debate após a apresentação

16/8 quarta-feira

14h30 – Matchmaking (96 min)

17h00 – Insurgência – A Jornada de Menachen Begin (54 min), com debate após a apresentação

20h30 – As Órfãs da Rainha (120 min) – após a exibição, haverá um bate-papo com a diretora

17/8 quinta-feira

18h30 – Shttl (114 min)

20h30 – Nossa História (103 min)

18/8 sexta-feira

18h30 – Três Minutos de Duração (69 min)

20h30 – Haute Couture (101 min)

19/8 sábado

16h00 – Paris Boutique (82 min) – após a exibição, haverá bate-papo com a roteirista

18h30 – iMordecai (102 min)

20h30 – Vishniac (90 min)

20/8 domingo

16h00 – As Manhãs de Majer (17 min) / Bela (65 min) – após a exibição, haverá bate-papo com as diretoras

18h30 – Golda: A Mulher de uma Nação

*Programação sujeita a alteração

SERVIÇO

26º Festival de Cinema Judaico

Data: 13 a 20 de agosto de 2023

Local: Teatro Arthur Rubinstein – Clube Hebraica – Rua Hungria, 1000 – Pinheiros

Ingressos: à venda no site www.ticketfacil.com.br

Valores para sessões avulsas: R$ 36 (inteira) e R$ 18 (meia e sócios do clube)

Passaporte válido para todas as sessões: R$ 140 (sócios) e R$ 200 (não sócio)

Informações: Central de Atendimento (11) 3818-8888/8889

Encontre no site do clube a programação completa, com a grade e sinopse dos filmes, dias e horários: www.ahebraica.org.br

Inscreva-se

Nossos colunistas

456 POSTS

Colunas

Saúde das mulheres: 15 alimentos essenciais para elas

Com rotina agitada e múltiplas tarefas, é fundamental para...

Conheça dicas fáceis para uma rotina de hábitos mais saudáveis

Comece 2024 cuidando do seu bem-estar sem sair de...

Que tal começar o ano com hábitos saudáveis?

Dra. Mariela Silveira, diretora médica do Kurotel, fala sobre...

Descubra os poderes do Cranberry para saúde

Neste momento, uma imensa luta está se travando por...

Artigos populares

Saúde das mulheres: 15 alimentos essenciais para elas

Com rotina agitada e múltiplas tarefas, é fundamental para...

Saint Barthélemy: Celebração da vida o ano inteiro

Com vistas deslumbrantes para o Mar Caribenho e areias...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui